Caracterização

Quiaios é uma freguesia portuguesa do concelho da Figueira da Foz, distrito de Coimbra, com 52,31 km² de área e 2 901 habitantes (2011). Densidade: 55,5 hab/km².
Constituiu couto até ao início do século XIX e tinha, em 1801, 2 746 habitantes. Foi sede de concelho até 1836, quando foi integrado no concelho de Maiorca.
Serra da Boa Viagem e Praia de Quiaios
Quiaios é também conhecida pela sua vasta praia (junta à praia da Murtinheira).
A Praia de Quiaios encontra-se inserida numa paisagem que combina uma vastidão de vegetação com uma enorme extensão de areal.
Um longo passadiço de madeira percorre as dunas da praia ligando-a às infra-estruturas que servem os banhistas.
Entre a beira-mar e a imponente Serra da Boa Viagem existem percursos de caminhadas.
Dada a grande extensão da praia, o nudismo é praticado em zonas mais recônditas das dunas. Os surfistas são também uma presença habitual, dadas as condições propícias à prática da modalidade.
Junto à praia situa-se uma piscina pública constituída por um bar, balneários subterrâneos, uma piscina para crianças e uma piscina para adultos, com grande profundidade em metade da área, devido à existência de pranchas de salto de cerca de 7 metros
 
ECONOMIA
A agricultura, que foi a principal actividade económica desenvolvida em Quiaios, tem perdido a predominância de outros tempos. A superfície agrícola estende-se por 500 ha. À data de 1989 existiam na freguesia 274 explorações agrícolas, com dimensão média muito reduzida, e que ocupavam cerca de 80% da área agrícola total. Actualmente menos de  5% da"população activa se dedica à agricultura, sendo a totalidade das explorações de reduzida dimensão e praticantes de poli cultura para auto consumo. Os principais produtos que se retiram da terra são o milho, a batata, o feijão e a vinha.  As principais actividades geradoras de emprego são a serralharia, a construção civil, e as indústrias de plásticos, de químicos e de panificação. O turismo e todo o comércio e serviços de apoio têm vindo a absorver uma quantidade crescente de mão-de-obra, resultante do incremento do número de visitantes que todos os anos se deslocam para estas paragens. Contudo o desemprego subsiste, afectando em especial a camada populacional mais jovem, que procura o seu primeiro emprego. Não sendo suficiente a criação local de postos de trabalho, assiste-se ao fluxo de saída de activos para outras freguesias da região, para encontrar trabalho. Alguns continuam a optar pela emigração para outros países europeus ou para o continente americano. Estes emigrantes tendem a regressar e a investir localmente; é esta a origem de algum do comércio instalado na freguesia.
O sector terciário sediado na freguesia apresenta alguma expressão, com diversos estabelecimentos em funcionamento e oferecendo uma gama de produtos e serviços que tendem a satisfazer as necessidades de residentes e visitantes. Dispõe esta Freguesia de  um mercado, contribuindo para o alargamento da oferta, nomeadamente de produtos alimentares frescos, sendo, a oferta de bens e serviços bastante satisfatória, não havendo bens de primeira necessidade ou de consumo corrente que não possam ser adquiridos dentro de portas.